shutterstock_82064524

Cidade Ouro

Conteudo Isobar

Ouro Preto é tombada como Patrimônio Cultural da Humanidade, é berço de mestres como Aleijadinho e respira história.

Até o final do século XV, a cidade de Ouro Preto era habitada somente por povos indígenas. Porém, a partir do início do século seguinte, com a chegada dos bandeirantes, a cidade mineira começou a ser transformada. Tornou-se um polo de exploração mineradora (foi então que recebeu o nome atual) e hoje é um verdadeiro museu a céu aberto.

Declarada pela Unesco Patrimônio Cultural da Humanidade, também foi palco de um marco na história do Brasil: a Inconfidência Mineira. À época, a coroa portuguesa passou a cobrar 20% de todo o ouro recolhido, gerando grande revolta entre os mineradores – dentre eles, o mais célebre, Tiradentes. A partir daí, nem a cidade nem o Brasil seriam mais os mesmos.

Apesar de todos os processos transformadores, inclusive o tempo, Ouro Preto parece se manter a mesma, e a sensação de quem visita é realmente a de voltar alguns séculos na história. Culpa das ruas estreitas de paralelepípedo, da arquitetura colonial das casas, das igrejas barrocas e das belíssimas paisagens.

Na Praça Tiradentes fica um dos pontos turísticos mais famosos: o Museu da Inconfidência. No passado o prédio funcionou como a Casa de Câmara e também como penitenciária, e hoje abriga um acervo com obras e documentos que permitem compreender melhor a cidade e enxergar por outro viés a vida social, política e artística nos séculos XVIII e XIX.

Outro local de destaque é a Igreja São Francisco de Assis, uma das mais significativas não só pelo valor religioso, mas por ser uma das grandes criações de Aleijadinho, artista local responsável pela fachada e pela arte em relevo e talha da igreja e por outros trabalhos importantíssimos para a história. Junto a ele, Ataíde (outro mestre da arte barroca), é celebrado até hoje por ter decorado o teto da construção.

Além de história, o ponto forte de Ouro Preto são as atividades culturais para todos os públicos, que incluem não só escultura e artes plásticas, mas também música, literatura e teatro – muitos organizados pelos estudantes da Universidade Federal.

Os privilégios dos turistas não acabam por aí, pois a cidade (o centro histórico, em especial) é recheada de lojinhas de artesanato, livrarias, pequenos cafés e, é claro, restaurantes, que corroboram com a fama da típica comida mineira e servem pratos como o tutu de feijão e o mineiríssimo pão de queijo.

No Hotel Solar do Rosário, é possível conhecer de perto a hospitalidade do povo mineiro. Instalado num casarão do século XIX, o hotel oferece sofisticação com aura colonial em suítes exclusivas, piscinas, espaço fitness, adega e o restaurante Senhora do Rosário – outra referência gastronômica de lá.

Qualquer que seja sua escolha de passeio, viajar a Ouro Preto é viajar no tempo.

Mais Matérias