Ferrari F40

Lendas do asfalto

Conteudo Isobar

Máquinas tão exclusivas, que se tornaram verdadeiras lendas e permeiam os sonhos dos fãs da velocidade.

Velocidade, potência, inovação e design são alguns componentes em comum a toda grande lenda automobilística. A Revista Estilo BB elegeu três dos maiores supercarros do mundo, que fazem qualquer marmanjo sonhar acordado.

Ferrari F40

Quem precisa de sistema de som a bordo do último legado do próprio Enzo Ferrari? Criada para celebrar os 40 anos da marca italiana, o super cupê tem um V8 biturbo roncador de quase 500cv, tração traseira e motor acomodado no centro da carroceria e foi fabricado entre 1987 e 1992. Na época, era a Ferrari mais rápida, mais poderosa e mais cara disponível ao público.

Para economizar em peso, as janelas e o para-brisa são feitos em perspex, um plástico mais resistente e leve do que o vidro. Também não há maçanetas, carpetes, porta-luvas nem painéis nas portas. Afinal, tudo isso compromete a performance. Mas ar-condicionado tem, porque, afinal, é um carro superluxo.

Brincadeiras à parte, a F40 ainda hoje é considerada um dos modelos mais bonitos e icônicos da scuderia. O exterior foi, claro, todo desenhado pela Pininfarina e a máquina ostenta partes em fibra de carbono, alumínio e kevlar. Sim, o mesmo material ultraleve dos coletes à prova de balas.

Para quem estiver interessado, o avô da Ferrari Enzo é a mais acessível, com preços por volta de US$ 700 mil.

McLaren F1

Em termos de inovações, a McLaren saiu na frente ao lançar o F1 em 1992. Foram apenas 106 unidades, desenvolvidas com um capricho inigualável e tecnologias proprietárias. Entre as inovações, a carroceria de fibra de carbono, que continua sendo uma das mais leves já produzidas, o motor BMW V12 de 636 cv e os três assentos, sendo que o do piloto fica no centro do carro, um pouco deslocado para a frente. Esse detalhe promove visibilidade superior ao motorista e uma personalidade única.

O bólido fez uma impressão tão boa, que, além de ganhar diversos campeonatos (entre eles, o LeMans de 1995), foi considerado o mais rápido carro em produção em 1998, quando alcançou 391km/h. O recorde só foi quebrado sete anos depois, mesmo assim, a McLaren F1 é tida por muitos fãs como o race car definitivo.

Diferente da Ferrari F40, o superesportivo foi concebido para ser confortável também como carro de passeio. Também é muito requintado e chega a ter revestimento de ouro 24 quilates no cofre do motor e em parte do sistema de escape, o que também dissipa o calor de forma mais eficiente.

Na época de seu lançamento, chegou a custar US$ 1 milhão. Hoje, é possível adquirir um exemplar em leilões exclusivos por preços próximos a US$ 8 milhões. Uma verdadeira joia.

Ford GT

A década era 1960 e a Ford queria avidamente entrar no mercado de carros esportivos, dominado pelos europeus; mais especificamente, pelos italianos. Após negociações com a Ferrari não darem certo, a montadora americana resolveu apostar no mitológico Caroll Shelby e seus engenheiros para criar uma máquina e vencer as 24 horas de LeMans. Em 1966 nasceu o Ford GT40, que conseguiu a façanha de alcançar primeiro, segundo e terceiro lugares na mesma competição, acabando com a hegemonia da Ferrari e criando um mito.

Quase quarenta anos depois, em 2004, a Ford decidiu homenagear o GT40 com uma versão que já virou lenda: o Ford GT teve fila de espera em sua primeira versão, chegou a estampar a capa do jogo Gran Turismo 4 e o modelo apresentado no Salão de Detroit deste ano vai protagonizar o game Forza Motorsport 6 da Microsoft, a ser anunciado em junho. A produtora do título, aliás, teve acesso a informações exclusivas para ajudar no desenvolvimento preciso da versão virtual do superesportivo.

Segundo a Ford, o modelo 2017 deve vir com 600cv de potência biturbo, embreagem dupla de sete marchas e carroceria super leve de fibra de carbono, com portas estilo gaivota, que se abrem para cima. E essa maravilha não deve sair barato: calcula-se que um Ford GT não deva sair por menos de US$ 400 mil.

Mais Matérias