shutterstock_111896330

Teoria do Vinho

Conteudo Isobar

Escola “Ciclo das Vinhas”, da sommelier Alexandra Corvo, tem as portas abertas para quem deseja entrar no mundo da enologia

O início da jornada de Alexandra Corvo até o posto de sommelier renomada começou oficialmente após uma temporada como garçonete em New Orleans, durante um intercâmbio na adolescência, mas ela também acredita que a vocação também veio de família.

A sua avó paterna costumava levá-la para o quarto, às escondidas, para degustarem vinho do Porto. “A primeira taça, era servida para ela, que tomava de um gole só. E a segunda ia para mim”, lembra. “Assim fica fácil virar sommelier. Mais fácil ainda quando se tem uma mãe que consegue saber, com a geladeira fechada, se o queijo está passado.”

Talvez um exagero, já que a carreira de Alexandra incluiu muito estudo. Quando voltou dos Estados Unidos, ela foi maître em São Paulo, concluiu a Faculdade de Hotelaria e Turismo em Madri e morou na França e Suíça, onde obteve o diploma de sommelier. Já de volta ao Brasil, passou por restaurantes importantes em São Paulo, como Figueira Rubaiyat, Le Vin e DOM.

Em 2004, além de tornar-se colunista da Revista Veja São Paulo, realizou o sonho de abrir um espaço dedicado integralmente ao estudo do vinho, a escola Ciclo das Vinhas. As aulas e cursos ministrados pela própria Alexandra e por profissionais convidados dão destaque à degustação e à harmonização da bebida, com técnicas que permitem que os alunos possam ampliar seus sentidos e poder apreciar e reconhecer bons vinhos.

Os encontros acontecem com grupos de 12 alunos, para facilitar o aprendizado e a interação dos participantes. Já as opções dos cursos se dividem entre níveis de conhecimento, regiões viníferas, harmonização de pratos (como peixes, pizzas e queijos) e tipo de bebida, já que o Ciclo das Vinhas também oferece aulas de cachaças, cervejas e uísques

A sommelier afirma que 70% dos inscritos nos cursos são mulheres. E, se no que diz respeito às cores, é comprovado pela ciência que mulheres conseguem enxergar mais tonalidades do que os homens, nos quesitos olfato e paladar, isso não existe. Alexandra aproveita para derrubar o mito de que as mulheres preferem vinhos doces aos secos.

Além de colunista e professora, Alexandra entrou recentemente para o mundo da tecnologia. Seu aplicativo para smartphones, Vini Fera, ajuda você a descobrir novos rótulos de acordo com o local da compra, região, tipo de uva, harmonização e preço. Está disponível para iOS e Android.

Se, além de degustar em casa ou frequentar as aulas, seu desejo é tornar-se sommelier, ela recomenda: “estude muito, mantenha-se isento e não desista”.

 

Mais Matérias