Em 27 anos, o Lagash recebeu inúmeros prêmios de excelência (Lagash/Divulgação)

Expansão gastronômica

Conteudo Isobar

Lagash: de premiado árabe à cozinha do Mediterrâneo

Durante quase 30 anos, o restaurante Lagash construiu fama nacional por saber fazer o que há de mais delicioso na cozinha árabe, especialmente síria e libanesa, mas sem deixar de lado a marroquina e a egípcia.

Recentemente, em 2014, a casa decidiu expandir o repertório e acoplar ao premiado menu algumas das maravilhas da culinária do Mar Mediterrâneo. Embora tenha mudado de endereço e de nome (passou a se chamar Lagash Mediterranée), manteve inalterado o talento gastronômico.

O restaurante traz da Península Ibérica sardinhas ou salada de bacalhau; da Itália, a berinjela com carne moída, molho de tomate e queijo; da Grécia, acepipes de azeitonas que se misturam às castanhas árabes.

“O básico, o definitivo, continua no cardápio do Lagash: 90% permanece árabe”, explicou a chef Fátima Hamu. O menu do restaurante, por sinal, coleciona diversos prêmios de excelência conquistados nesses 27 anos de trabalho e dedicação.

A marca Lagash – nome de uma cidade da antiga Mesopotâmia – foi fundada em 1987, por Fátima e sua mãe, Lenita Saad Hamu. A clientela fiel e a qualidade gastronômica elevaram-na ao posto de segundo melhor restaurante árabe do Brasil, de acordo com o Guia Quatro Rodas e a revista Veja.

NOVA FASE

Fátima recebeu a equipe da revista Estilo BB na nova loja do premiado restaurante, em Brasília, com iguarias de encher a boca d’água. Entre elas, chamou especial atenção a delicadeza da esfirra folhada de coalhada.

“Felizmente, o Lagash deixou saudades. Tem muita gente que não sabe que eu reabri”, disse Fátima, referindo-se à antiga loja, que funcionava também na Asa Norte, bairro do Plano Piloto, na capital federal.

Agora com proposta mais acessível, a chef pretende dar continuidade à nova fase de expansão. “Minha ideia é poder realizar entregas no futuro”, antecipou.

Sorte dos brasilienses.

Mais Matérias