CdM_NF_helitour_1 655 copy

Templo acústico

Conteudo Isobar

Uma viagem pela Casa da Música, enigmático projeto assinado por Rem Koolhaas na cidade portuguesa do Porto.

Qualquer um que veja uma foto aérea da Casa da Música se espantará com a sua forma única: um poliedro branco de 22 mil m², erguido no histórico bairro da Rotunda da Boavista, na cidade do Porto, em Portugal.

Depois de vencer um concurso disputado com mais cinco escritórios de arquitetura internacionais, o OMA – chefiado pelo arquiteto alemão Rem Koolhaas, vencedor do Pritzker em 2000 – concebeu esse distinto projeto, que se tornou a nova sede da Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música.

Considerado um marco da arquitetura contemporânea e uma das construções mais emblemáticas de Portugal, a Casa de Música é diferente de qualquer espaço para concertos que você já viu.

No exterior, as faces brancas de concreto são o grande destaque arquitetônico da região, que saltam aos olhos em meio à uniformidade de tantos prédios comerciais e residenciais. No interior, um grande auditório (com capacidade para 1.300 lugares), com faces inteiras em vidro, termina em uma área a céu aberto, oferecendo vista panorâmica da cidade.

“Optamos por não construir perto dos imóveis antigos da Rotunda. Criamos um prédio solitário em um platô revestido com mármore travertino, de frente para um parque do bairro”, explicam os profissionais do escritório.

Muita cultura no Porto

A Casa da Música é muito mais do que um símbolo arquitetônico. Desde que foi inaugurada, em 2005, ela funciona como um verdadeiro polo cultural na cidade, que além de promover os shows mensais da Orquestra Sinfônica do Porto, já recebeu vários artistas internacionais. Alguns deles foram o venezuelano Devendra Banhart, o contrabaixista inglês Dave Holland, o guitarrista espanhol Pepe Habichuela e a cantora e compositora de Cabo Verde Mayra Andrade.

O local também sedia festivais de música e de cinema e abre as portas para uma série de workshops. Um deles, em cartaz no momento, promove o aprendizado da música por meio do reaproveitamento de lixo.

A relação com a cidade

Os profissionais destacam a interação do projeto com os visitantes e com o entorno. Para eles, a maioria das instituições culturais alcança apenas parte da população. Muita gente conhece o exterior, mas uma minoria sabe o que se passa no interior.

“Nossa intenção foi criar um projeto que revela o seu conteúdo à cidade sem ser óbvio. Ao mesmo tempo, o lado de fora está exposto às pessoas no interior de um jeito inédito”, afirmam.

É por causa dessa abordagem arquitetônica, que respeita e interage com a cidade, aliada à genialidade de um arquiteto, filósofo e teórico como Rem Koolhaas (capaz de conceber projetos que fogem completamente das convenções, mas são sempre funcionais), que a Casa da Música é uma construção para ser experimentada, sentida e vivida – tal como fazemos com a música.

Mais Matérias