"O chinês" (2005), óleo sobre tela (Adriana Varejão/Divulgação)

A arte dos azulejos

Conteudo Isobar

Desde 1988, Adriana Varejão leva arte brasileira pelo mundo

A artista plástica carioca Adriana Varejão tem nos azulejos o ícone principal de seu singular repertório. Nesses pedaços de cerâmica trabalhados por ela, a cultura brasileira encontra-se com a história de sua formação. O colonialismo europeu no Brasil – que ao longo de 500 anos forjou o que viria a ser o maior e mais diverso país da América do Sul – é contado com sensualidade e violência.

Nascida em 1964, Adriana tornou-se um dos mais proeminentes nomes das artes plásticas no Brasil. Sua obra viajou o mundo e ocupou espaço cativo em conhecidas galerias e respeitados museus. Depois de realizar a primeira exposição individual, em 1988, ela partiu para Amsterdã, na Holanda, onde participou de uma mostra coletiva, sob curadoria do Stedelijk Museum.

Peças assinadas pela carioca já percorreram o Museum of Modern Art (MoMA), em Nova York; a Fundação Cartier, em Paris; o Centro Cultural de Belém, em Lisboa; e o Hara Museum, em Tóquio. Além disso, a Tate Modern e o Guggenheim não abrem mão de ter o talento de Adriana constantemente presente em seus respectivos acervos.

REPERTÓRIO MULTIFACETADO

Os elementos que inspiram Adriana Varejão são extraídos do processo de colonização no Brasil. O tradicional azulejo português serve à artista de tela para expressar, de maneira multifacetada, a exuberância de relações paradoxais que envolvem sensualidade, dor, fetiche e violência.

Expressamente vivo, o trabalho de Adriana é, por vezes, voltado ao inusitado. No repertório, a artista carioca tem obras arquitetônicas que se aproveitam de espaços como botecos, piscinas, saunas, açougues, banheiros públicos, feiras de carne, etc. Os resultados visuais são alcançados por meio da pintura, da textura, das cores e da perspectiva.

Seja na série de pinturas, nos desenhos, nas fotografias, nas exposições ou em qualquer outro projeto com que esteja envolvida, Adriana eleva e valoriza a cultura nacional com criatividade e sensibilidade. O talento da artista rendeu-lhe prêmios, reconhecimento e um pavilhão exclusivo no Inhotim Centro de Arte Contemporânea, em Minas Gerais.

Hoje, a história da formação do Brasil sob a ótica da carioca pode ser encontrada também no Arizona State University Art Museum (EUA), na Ellipse Foundation (Portugal), na Fundação La Caixa (Espanha), no Museum of Contemporary Art (EUA), no SMAK (Bélgica) e no Metropolitan Museum of Art (EUA).

A revista Estilo BB selecionou algumas imagens do trabalho de Adriana Varejão. Confira abaixo.

Mais Matérias