florence_foster_jenkins.jpg

QUEM É ESSA MULHER?

Administrador Click

Oscar 2017: Meryl Streep vive Florence Foster Jenkins

A trajetória da socialite norte-americana Florence Foster Jenkins só poderia ser mesmo digna de filme. Melhor ainda seria se a atriz Meryl Streep pudesse encarnar, em uma obra cinematográfica, a controversa figura que acabou conhecida como “a diva do grito” nos idos dos anos 40 do século passado.

Pois bem: em Florence: Quem É Essa Mulher?, Streep passou à prova. Como não podia deixar de ser, acabou recebendo a indicação ao Prêmio de Melhor Atriz no último Oscar.

Florence não possuía qualquer noção de afinação, mas abundava em recursos financeiros, basicamente patrimônio herdado da família de banqueiros. As limitações musicais, contudo, não a impediram que tornar-se cantora lírica.

Mais que isso, a socialite chegou a alugar o Carnegie Hall, luxuosa casa de shows de Nova York, para uma apresentação. O evento é considerado o clímax da carreira dela. Florence faleceria um mês depois.

Com o tempo, a desafinação da cantora caiu no esquecimento do público. A absoluta e inabalável segurança de seu talento impunha escolhas difíceis no repertório clássico. Com isso, as entradas para os recitais anuais da “diva do grito” no Hotel Ritz tornaram-se objeto de disputa.

Florence formou dupla ao lado do pianista Cosmé McMoon até o fim da vida. Em Florence: Quem É Essa Mulher?, o músico é interpretado pelo ator Simon Helberg. Hugh Grant, por sua vez, vive St. Clair Bayfield, o segundo marido que a cantora teve durante a vida.

SEGUIDORES

A devoção de Florence à música rendeu-lhe seguidores ilustres. O compositor norte-americano Cole Porter era visto regularmente em apresentações da cantora. O mesmo pode ser dito do importante dramaturgo britânico Sir Noël Coward. Para eles, ela cantava Mozart, Straus e Verdi.

David Bowie era outro fã de Florence Foster Jenkins. O astro do rock, falecido no início de 2016, chegou a dizer que o disco póstumo da cantora lírica transformou sua vida. A obra veio à público em 1962.

Mais Matérias