"Gravador de fita bobina", que pode ser conferido na instalação "Sonorama" | Crédito: Divulgação

Prêmio CCBB Contemporâneo

Conteudo Isobar

Primeira edição do Prêmio contempla diversas obras inéditas de artistas brasileiros

Com o intuito de fomentar e difundir a arte e cultura nacional, o Banco do Brasil, por meio do CCBB e em parceria com o Ministério da Cultura, criou o Prêmio CCBB Contemporâneo, inspirado na Sala A Contemporânea do CCBB RJ, que oferece espaço para novos artistas com obras inéditas.

No Prêmio CCBB Contemporâneo, foram selecionados, por meio de edital, 10 trabalhos inéditos que poderão compor a programação 2015-2016 do CCBB Rio de Janeiro. Os artistas selecionados terão a possibilidade, a critério do Banco do Brasil, de circular suas obras pelos demais Centros Culturais (BH, DF e SP).

Os projetos foram analisados por comissão formada por funcionários do Banco do Brasil e representantes da sociedade civil com notório conhecimento em artes plásticas. Na análise, foi valorizada a nova produção e a memória cultural brasileira, a possibilidade de ações multidisciplinares, o ineditismo, a relevância conceitual e temática, além da contribuição ao fortalecimento da diversidade cultural brasileira.

Dentre os selecionados para as mostras individuais estão: Chelpa Ferro, Fernando Limberger, Vicente de Mello, Jaime Lauriano, Carla Chaim, Ricardo Villa, Flávia Bertinato, Alan Borges, Ana Hupe e Floriano Romano.

O primeiro projeto, em exibição no CCBB RJ desde 16 de junho, é do grupo Chelpa Ferro, formado por Luiz Zerbini, Barrão e Sergio Mekler, que já participou das Bienais de São Paulo, Veneza e Havana, e fica em cartaz até o dia 16 de julho com a instalação “Sonorama”.

Na instalação inédita, os artistas revestem o espaço com materiais acústicos reaproveitados do cotidiano e transformam a sala de exposição em um grande estúdio musical improvisado, ocupando o ambiente com objetos acústicos construídos pelo grupo e equipamentos de som.

A instalação surgiu do interesse pela música e curiosidade pelo imaginário visual de estúdios. Nos finais de semana haverá performances, ensaios e improviso com os convidados, com gravação dos encontros e disponibilização do áudio para o visitante.

Com entrada franca, é possível visitar a mostra de quarta a segunda, das 9h às 21h. Para saber mais sobre a exposição, acesse o site do CCBB.

Mais Matérias