shutterstock_36361756 copy_VOLTA

Paris dos Trópicos

Conteudo Isobar

O luxo inquestionável, a história que se mantém viva e a exuberância arquitetônica do Teatro Amazonas

Um espaço que mantém viva a cultura e a história de Manaus, o Teatro Amazonas é como um imponente museu incrustado no centro da capital amazonense.

Sua arquitetura clássica marca o estilo da Belle Époque Brasileira (1889-1931), na qual Manaus desfrutou de todos os benefícios do Ciclo da Borracha. Os lucros com a borracha – na época, exclusividade da Floresta Amazônica – foram tantos que Manaus foi a primeira cidade brasileira a ter sistema de água e esgoto, por exemplo, viveu uma fase de progresso e passou por uma série de transformações sociais e culturais.

O Teatro Amazonas é um dos frutos dessa época dourada manauense. Foi inaugurado em 1896, após a resolução de alguns entraves burocráticos (a ideia da construção de um teatro em Manaus surgiu em 1881) e teve apoio do então governador de Manaus, Eduardo Ribeiro.

Óperas, musicais, peças de teatro, orquestras, shows de cantores líricos e populares estão entre os tipos de espetáculos já recebidos pela casa. Consagrados artistas nacionais e internacionais também fizeram sua incursão no teatro, como o compositor Heitor Villa-Lobos, em 1911, e o tenor José Carreras, em 1996, em comemoração ao centenário do Teatro Amazonas.

Desde 1997 o teatro recebe grandes espetáculos, como o Festival Amazonas de Ópera, o Festival Amazonas de Jazz, o Festival Amazonas de Dança e o Festival de Teatro da Amazônia, por exemplo. Além disso, reúne valioso acervo de objetos que evocam sua história, desde sua construção até os dias de hoje.

Arquitetura que impressiona

Do lado de fora, arcos e colunas clássicos e uma cúpula colorida – formada por 36 mil peças de escamas em cerâmica e telhas em vidro, provenientes da França.

No interior, capacidade para 701 pessoas e uma impressionante riqueza nos detalhes. Nas colunas, máscaras gregas; no teto, uma pintura em perspectiva da Torre Eiffel vista de baixo para cima, em homenagem à Paris; nas bases das pilastras, mármore Carrara. No teto, pinturas feitas em Roma, e ao redor, tudo o que aparece em dourado, é de fato ouro.

Passear pelo Teatro Amazonas é, além de um encanto para o olhar, ter oportunidade de saborear um pouco da história manauense e reviver tempos áureos de uma das principais atrações da cidade. Que, aliás – e não por acaso – rendeu a Manaus o título de Paris dos Trópicos, que se mantém vivo desde o século XIX.

Mais Matérias