Chicas_Foto_Paola Terranova

Gonzaguinha Vive

Conteudo Isobar

Festival CCBB: Moleque Gonzaguinha – 70 anos homenageia o cantor e celebra os 14 anos do CCBB em São Paulo com shows.

Filho do Rei do Baião, Luiz Gonzaga, Gonzaguinha nasceu em 1945 e frequentou desde cedo os blocos e rodas de samba no Rio de Janeiro. Aos 14 anos, compôs sua primeira canção “Lembranças da Primavera”, e conheceu artistas como Ivan Lins e Aldir Blanc e nunca mais parou de emocionar com suas canções.

Depois de criar conflitos com seus discursos contrários à ditadura militar, na segunda metade da década de 1970, começou a compor músicas de tom mais ameno para o público da época, como “Começaria tudo outra vez” e “O que é, o que é?”. Ícones de uma geração, as músicas marcaram e ainda marcam a história do Brasil.

No mesmo ano em que Gonzaguinha faria 70 anos, o Centro Cultural Banco do Brasil completa 14 de atuação em São Paulo. Para presentear o público e a cidade, o CCBB homenageia o cantor com o especial “Moleque Gonzaguinha – 70 Anos”, que acontece no Vale do Anhangabaú, no dia 21 de abril.

Sobem ao palco as integrantes do grupo Chicas, que trazem em sua formação atual uma das filhas de Gonzaguinha, a musicista Amora Pêra, e mais uma seleção de artistas considerados como principais intérpretes do cantor: Ivan Lins, Elba Ramalho e Elza Soares.

Os filhos de Gonzaguinha, Daniel Gonzaga (que assina a direção musical do show) e a cantora Fernanda Gonzaga, também dividirão o palco com as Chicas, todos apresentando releituras e novos arranjos para canções clássicas do artista. Além das músicas, a apresentação contará com projeções de acervo de imagens inéditas da família Gonzaga, reforçando o clima de homenagem à memória do cantor.

“A ideia é ‘narrar’ a vida de Gonzaguinha com um olhar íntimo e familiar”, explica Daniel Gonzaga. “Sua obra é marcada por um encontro de sonoridades que dialogam com várias vertentes musicais nacionais, desde o baião até a música popular brasileira”, completa.

No repertório estão presentes novas versões para canções marcantes na trajetória de Gonzaguinha, tais como “O que é, o que é?”, “Eu apenas queria que você soubesse”, “Palavras”, “Sangrando”, “Desenredo”, “Festa”, “Começaria tudo outra vez”, “Explode Coração”, “Grito de alerta”, e também obras do rei do baião, Luiz Gonzaga –pai de Gonzaguinha.

“O alcance de sua poesia e a dureza de seus versos sublinham a regularidade de seu trabalho”, afirma Daniel. “Elas refletem, acima de tudo, um momento vivido pelo Brasil, política e musicalmente. Por meio de suas canções passadas, podemos claramente identificar o que o Gonzaguinha de 70 anos estaria produzindo: música de qualidade, destinada a tocar e modificar a vida da gente”, conclui.

Antes das cantoras, também se apresentarão o DJ Formiga e o músico francês, radicado no Rio de Janeiro, Nicolas Krassik, que improvisará com seu violino canções do próprio Gonzaguinha e de outros artistas do Brasil.

Os shows são gratuitos e acontecem no dia 21 de abril no Vale do Anhangabaú, em São Paulo, a partir das 15h. Para saber mais, acesse o site e não perca!

Mais Matérias