O 27º Prêmio da Música Brasileira homenageou o compositor Gonzaguinha (Regi Oliveira)

Eterno Gonzaguinha

Conteudo Isobar

27º Prêmio da Música Brasileira reúne grandes nomes

O 27º Prêmio da Música Brasileira homenageou a obra do compositor Gonzaguinha. Em evento de gala, o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, no centro da capital fluminense, atraiu artistas e famosos. A apresentação da solenidade ficou a cargo dos atores Júlio de Andrade e Dira Paes. Zélia Duncan acabou como a grande vencedora da noite.

A cantora nascida em Niterói levou três prêmios por conta do disco Antes do mundo acabar. Vitoriosa nas categorias “melhor cantora de samba”, “melhor álbum de samba” e “melhor canção”, Zélia chegou a concorrer ainda a outras duas indicações.

Marcaram presença no Theatro Municipal as cantoras Elba Ramalho, Fafá de Belém, Daniela Mercury, Alcione, Margareth Menezes, Gal Costa e Elza Soares; as atrizes Gisele Fróes, Luana Piovanni, Malu Mader e Maitê Proença; além dos mitos Ney Matogrosso e Tony Bellotto.

Fafá de Belém e Elba Ramalho ganharam, cada uma, duas premiações. Enquanto Elba conseguiu melhor álbum (Cordas, Gonzaga e Afins – Sagrama e Encore) e melhor cantora regional, Fafá foi melhor cantora em termos de canção popular, mas venceu também como melhor álbum (Do tamanho certo para o meu sorriso).

O elogiado disco A mulher do fim do mundo, de Elza Soares, foi o campeão na categoria Pop/Rock/Reggae/Hip Hop/Funk. Elza foi muito aplaudida quando subiu ao palco para receber o troféu.

Caetano Veloso acabou levando na categoria “melhor álbum de MPB”, juntamente com Gilberto Gil, por causa de Dois amigos, um século de música. A noite de premiações foi aberta com uma homenagem ao cantor Cauby Peixoto, que morreu em maio deste ano.

PERFORMANCES

No 27º Prêmio da Música Brasileira, 83 grupos e artistas concorreram em 16 categorias. A pré-seleção teve avaliação de 532 álbuns e 61 DVDs. Isso à parte, o palco recebeu apresentações que reverenciaram o compositor da MPB Gonzaguinha.

Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior nasceu em 22 de setembro de 1945, na Cidade Maravilhosa. Suas composições foram gravadas por muitos intépretes da música nacional, incluindo Elis Regina, Fagner, Maria Bethânia, entre outros.

Em homenagem a Gonzaguinha, o palco do Theatro Municipal teve as ilustres presenças de Alcione, que abriu os trabalhos; de João Bosco e Lenine, cantando Galope; de Criolo, que interpretou Comportamento geral; e dos três filhos do compositor carioca, Amora, Daniel e Fernanda, que se alinharam para executar Redescobrir, faixa que se tornou famosa na voz de Elis.

Gonzaguinha morreu precocemente, aos 45 anos de idade. Ele foi vítima de um acidente automobilístico, no Paraná, em 29 de abril de 1991. A obra do compositor, contudo, foi imortalizada.

Mais Matérias