A subida nas torres improvisadas por William. | Crédito: Divulgação/ Group Theory Media LLC

Domador de ventos

Conteudo Isobar

A história de William Kamkwamba, jovem empreendedor do Malawi, vira documentário.

A história de William Kamkwamba é uma verdadeira aula de motivação, liderança e espírito empreendedor. Nascido no Malawi, país da África Oriental devastado pela pobreza e pela AIDS, William teve uma grande idéia. O jovem criou um moinho de vento para gerar eletricidade e bombear água até as plantações da região onde morava.

O sucesso do projeto foi tanto que, em 2007, Ben Nabors, diretor e fundador da produtora americana {group theory}, produziu o curta-metragem “Moving Windmills”, sobre a iniciativa de  Kamkwamba. No ano seguinte, o filme ganhou o prêmio North American Filmmaker no festival de filmes Pangea Day. Quatro anos depois, Nabors correu atrás de investimento e dirigiu o documentário “William and the Windmill”, estreado em março deste ano no SXSW 2013, quando foi aclamado pela crítica. O filme começa com a palestra que o rapaz conduziu em 2011 no TED Global Conference na Tanzânia, e conta a história de William e seus moinhos.

Como a maioria de seus conterrâneos, William, seus pais e as seis irmãs viviam com o que plantavam, sem nenhum “luxo” como eletricidade ou mesmo água encanada. Em 2001, seu país enfrentou um período de seca terrível e a família perdeu sua fonte de sustento. Por não poder pagar a anuidade de US$ 80, o menino de apenas 14 anos foi obrigado a largar a escola.

No entanto, William continuou a estudar por conta própria e, com muita dedicação e livros emprestados da biblioteca, construiu a máquina que transformou sua comunidade: um moinho de vento. Alguns dos materiais necessários – um ventilador de trator, tubos de PVC, um quadro, um amortecedor e um dínamo de bicicleta – foram encontrados em um ferro-velho. Outras peças foram achadas no lixo, descartadas por vizinhos. Itens como baterias foram compradas com dinheiro arrecadado na própria comunidade.

No começo, vizinhos, amigos e até mesmo sua mãe duvidavam da ideia e tentaram convencê-lo a abandonar o projeto. Mas William foi em frente e construiu não só um, mas três moinhos de vento, que atraíram visitantes de várias partes do país e chamaram a atenção de jornalistas, especialistas e mentores. A partir daí William foi convidado a dar palestras por todo o mundo.

Para saber mais sobre a iniciativa e sobre a história de William, vale ler a autobiografia “The Boy Who Harnessed The Wind”, lançada em 2009 e escrita em parceria com Bryan Mealer. O site da ONG Moving Windmills, que visa mobilizar a comunidade internacional a investir e apoiar projetos sociais no Malawi, também é uma ótima fonte de inspiração para os donos de espíritos empreendedores.

Enquanto o documentário não chega ao Brasil, assista ao trailer no site oficial do filme.

Mais Matérias