Ilustração de Laerte para o livro "Felizes quase sempre", de Antônio Prata / Divulgação

Às avessas

Conteudo Isobar

Ganhador do Prêmio Jabuti, Antonio Prata reflete sobre a vida perfeita em “Felizes Quase Sempre”.

Mais que um estímulo envolvente para as crianças adotarem o hábito de ler, o livro “Felizes Quase Sempre”, do escritor Antonio Prata, é também uma divertida porta de entrada para o mundo pouco explorado, porém maravilhoso das obras infantis brasileiras. Grande vencedor da 55ª edição do Prêmio Jabuti, o mais renomado de literatura do país, na categoria infantil, “Felizes Quase Sempre”, publicado pela Editora 34, possui ilustrações de Laerte, um dos mais renomados cartunistas brasileiros.

Com o intuito de ir além do habitual “e foram felizes para sempre”, final comum nos contos de fadas clássicos, Antonio decidiu contar o que acontece depois dessa frase. Primeiro trabalho do autor voltado para crianças, o livro é bem estruturado e revela os problemas corriqueiros e absolutamente normais que acontecem na vida de todo mundo, inclusive na de príncipes e princesas. O enredo ensina com graça e leveza que problemas fazem parte, sim, de uma vida feliz e que a busca pela perfeição pode resultar em uma experiência bastante entediante.

O livro resgata os personagens mais famosos da literatura como Branca de Neve, os sete anões e Cinderela, além de coadjuvantes – como os cavalos que puxam as carruagens, os príncipes e os caçadores. O bom humor na medida torna a leitura prazerosa até para os pais, que estão liberados para pegar o livro emprestado dos pequenos.

Filho do amado escritor Mario Prata, o autor já publicou nove livros. Formado em Filosofia e em Cinema, tem habilidade ímpar para observar o cotidiano e tirar dele grandes reflexões. De maneira simples, conta casos às em sua coluna na Folha de São Paulo e foi um dos responsáveis pelo sucesso de Avenida-Brasil, de João Emanuel Carneiro, um marco na história da telenovela brasileira. Prata aprecia bastante o universo infantil e infanto-juvenil, uma vez que também foi cronista por muitos anos da Revista Capricho. Para passar o quanto antes na livraria.

 

Mais Matérias